E-mail    Senha    Não possui uma conta? Clique aqui e cadastre-se.

Textos Básicos em Nutrição Pet. ( )


A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z
   
SUMÁRIO  
> Aditivos na alimentação de pets
> (Água) Nutrientes essenciais para cães - água
> (Atleta) Necessidades nutricionais do cão atleta
 
> (Biotina) Importância da Biotina (vitamina B-7 ou H) para cães e gatos.
 
> (Cálcio) Suplementar ou não cálcio para fêmeas e filhotes?
 > (Caseira) Dieta caseira para cães e gatos: é possível alimentar cães e gatos de forma equilibrada com este tipo de alimento?
> (Clínica) Consulta clínica nutricional.
> (Crescimento) Nutrição de cães em crescimento.
 
> Evolução alimentar do cão.
> Evolução alimentar do gato.
> Frotooligosacarídeos (FOS) como prebióticos para cães e gatos.
 
> (Hepático) Manejo nutricional nas doenças hepáticas de cães e gatos.
> Hipersensibilidade alimentar: o que é e como tratar.
 
> (Idoso) Nutrição do cão idoso.
> (Idoso) Nutrição do gato idoso.
 
> (Neonato) Nutrição do cão neonato.
> (Neonato) Nutrição do gato neonato.
 
> (Nutracêuticos) Alimentos funcionais e nutracêuticos na alimentação de cães.
 
> Obesidade em cães e gatos.
> (Obesidade, riscos) Riscos clínicos associados à obesidade em cães.
> (Obesidade, riscos) Riscos clínicos associados à obesidade em gatos.
 
> (Proteína) A necessidade protéica de cães muda com o avanço da idade?
 
> (Reprodução) Manejo nutricional da cadela em reprodução.
> (Reprodução) Manejo nutricional da gata em reprodução.
 
> Superalimentação e desenvolvimento do esqueleto de filhotes de cães de raças grandes e gigantes.
 
>(Tiamina) Importância da Tiamina (vitamina B-1) para cães e gatos.
   
Os textos abaixo estão disponíveis para uso individual para estudos. Não estão disponíveis para impressão de qualquer tipo ou publicação em outros sites ou de qualquer outra forma sem citação explícita da fonte. Obrigado por respeitar os direitos autorais.

Para citar estes textos em Referências Bibliográficas, seguir como no exemplo abaixo:

GOMES, M.O.S. Aditivos na alimentação de pets. [on line] Disponível em: http://www.nutricao.vet.br/textos_basicos.php. Acesso em (dia) (mês) (ano).

Voltar ao topo

 

 



A

ADITIVOS NA ALIMENTAÇÃO DE PETS

Aditivos são substâncias incorporadas intencionalmente ao alimento com a finalidade de conferir alguma característica desejável como, cor, aroma, textura, estabilidade ou resistência à decomposição, desde que não prejudique seu valor nutricional. Desde 1920, se utilizam com freqüência aditivos sancionados legalmente em alimentos para humanos e para animais. Os fabricantes de alimentos para cães e gatos utilizam diversos aditivos para gerar produtos que sejam atraentes visualmente, que tenham qualidade nutricional prolongada, que tenham alta palatabilidade e um vencimento mais longo.

 

Os aditivos presentes nos alimentos para cães e gatos são os mesmos ou muito similares àqueles utilizados para alimentos de consumo humano. Em geral, proporcionam três benefícios ao alimento: 1. organoléptico, conferindo estrutura, textura e cor; 2. tecnológico, atuando como agentes aglutinantes e gelificantes e 3. nutricional, atuando como vitaminas e antioxidantes. Os utilizados com freqüência em alimentos humanos ou para animais incluem corantes, exaltadores de sabor, agentes emulsificantes, substâncias gelificantes, estabilizantes, espessantes e coadjuvantes de processo.

 

Devido ao fato de que a maior parte dos alimentos comerciais para cães e gatos caracterizar-se como completos e balanceados, o enriquecimento de nutrientes com vitaminas e minerais é o uso mais importante e benéfico de certos aditivos para alimentos. A maior parte dos ingredientes com nomes químicos, não familiares, que aparecem nos rótulos das embalagens dos alimentos industrializados são, na realidade, nutrientes.

 

Como a tecnologia empregada no processamento dos alimentos e os aditivos são temas difíceis e confusos, os aditivos podem gerar teorias equivocadas por pessoas mal informadas. Além disso, o tema nem sempre é colocado de forma correta; as associações de consumidores e algumas pessoas consideradas especialistas costumam responsabilizar os aditivos de causar todo o tipo de transtornos aos animais. Em algumas circunstâncias a publicidade abusa da imagem negativa dos aditivos sintéticos para promover produtos ¨naturais¨ ou ¨livres de aditivos¨. Mesmo porque, as provas que vinculam determinado alimento ou componente alimentar com uma enfermidade em particular podem ser circunstanciais e sua consistência deve ser avaliada com cautela.

 

Os veterinários nem sempre têm as respostas para clientes alarmados por comentários à respeito da nutrição, portanto devem melhorar seus conhecimentos sobre os aditivos mais comuns nos alimentos para cães e gatos para estarem aptos a responder com exatidão às preocupações de seus clientes. Aqueles clientes que desejam evitar os aditivos não devem estar bem informados a respeito dos tipos de aditivos presentes nos alimentos para cães e gatos nem das possíveis conseqüências negativas de não se agregar estes compostos aos alimentos. Os veterinários devem explicar os aspectos positivos dos aditivos para tranqüilizar os clientes que administram um produto comercial ao invés de um alimento caseiro.

 

Em um questionário que examinou como os consumidores definem a palavra ¨natural¨, a maioria deles mencionou a ausência de diversos tipos de aditivos. Nesse questionário, os aditivos se encontram nos primeiros lugares da lista de substâncias alimentares que eles consideram nocivas para sua saúde ou que é uma razão suficiente para não comprar um alimento. Porém, quando se qualificam os riscos conhecidos de problemas alimentares em seres humanos, o risco relativo mais elevado correspondente às enfermidades de origem alimentar (contaminação bacteriana), já que é em torno de 100.000 vezes mais elevado que o risco associado aos aditivos.

 

Os clientes que procuram produtos livres de aditivos devem identificar primeiro qual é o aditivo que desejam evitar. Alguns produtos comerciais não contêm cores ou sabores artificiais nem conservantes sintéticos. Uma vez indicada e considerada a preocupação específica do cliente, talvez seja possível localizar um produto comercial completo e balanceado aceitável.

 

Autoria: JEREMIAS, Juliana Toloi - Jul/2009.
Para saber mais:
palavras-chave: ADITIVO; cães; cão; gato; corante; emulsificante; gelificante; estabilizante.
Voltar ao topo
 
 
 

(ÁGUA) NUTRIENTES ESSENCIAIS PARA CÃES - A ÁGUA

Do ponto de vista funcional, a água é essencial para a vida. Estudos mais antigos em cães demonstraram uma elevada capacidade dos animais sobreviverem sem ingerir nutrientes energéticos, podendo passar mais de 20 semanas sem ingerir estes nutrientes. No entanto, plantas e animais morrem rapidamente quando submetidos à restrição hídrica severa. Quimicamente a água é a combinação dos elementos hidrogênio e oxigênio, ligados na proporção de 2:1, respectivamente (H2O), considerada o mais importante nutriente, tendo as seguintes funções:


- solvente em que muitas substâncias são dissolvidas para serem transportadas entre os compartimentos corporais;
- necessária para reações químicas que envolvem hidrólise, como por exemplo, a digestão enzimática;
- auxilia na regulação da temperatura corporal;
- ajuda a dar forma e elasticidade para o corpo. Como maior constituinte dos fluidos corporais, a água lubrifica articulações e olhos, protege o sistema nervoso central e vísceras torácicas e abdominais de impacto, auxilia nas trocas gasosas, entre outros;
- Veículo para eliminação de substâncias indesejáveis ao organismo.


A água é o maior constituinte corporal, variando de 40-70% em um animal adulto de acordo com a espécie, condição corporal e idade. Geralmente a massa magra corporal contém aproximadamente 70-80% de água e 20-25% de proteína, enquanto o tecido adiposo contém entre 10-15% de água e 75-80% de gordura. Desta forma, animais mais magros e jovens apresentam maior quantidade de água corporal.

 

As exigências hídricas dos animais devem ser suficientes para manter o balanço hídrico. As principais perdas corporais de água ocorrem pela urina, fezes, evaporação e transpiração. Por outro lado, as principais vias de reposição hídrica ocorrem pela ingestão direta de líquidos e alimentos sólidos e ainda aproximadamente 5-10% das necessidades hídricas são atendidas por meio da formação de água metabólica, produzida pelo metabolismo energético dos nutrientes. O metabolismo oxidativo dos animais permite com que o oxigênio seja o receptor final do hidrogênio liberado do metabolismo energético, para a formação de ATP. Esta combinação intracelular de hidrogênio e oxigênio origina a chamada água metabólica. Uma média de 13 mL de água metabólica é formada a cada 100 kcal de energia metabolizável ingerida pelos animais. A oxidação completa de 1g de carboidrato, lipídeo ou proteína forma respectivamente 0,556g, 1,071g e 0,396g de água metabólica.
Autoria: VASCONCELLOS, Ricardo de Souza (Fev/2012)

Referências Bibliográficas:

CARCIOFI, A.C.; BAZZOLI, R.S.; ZANNI, A. Influence of water content and the digestibility of pet foods on the water balance of cats. Brazilian Journal Veterinary, 42(6), 429-434, 2005.

 

HAND, MS; THATCHER, CD; REMILLARD, RL; ROUDEBUSH, P; NOVOTNY, B. Small Animal Clinical Nutrition, Mark Morris Institute, 5th edition, Topeka-Kansas, 2010, 1314p.

 

NRC. Nutrient requirements of dogs and cats. Washington, DC: The National Academy Press; 2006. 398 p.

palavras-chave: água; cães; cão; nutrientes; essenciais.
Voltar ao topo
 
 
 
(ATLETA) NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO CÃO ATLETA
Os cães atletas apresentam necessidades nutricionais específicas. O principal objetivo da nutrição para esses animais é fornecer dietas balanceadas para promover saúde e maximizar seu desempenho durante o exercício. A realização de exercícios físicos leva a adaptações fisiológicas como aumento nas funções de diversos sistemas do organismo e alterações do metabolismo energético. É necessário que o tipo e a quantidade de alimento se adeque às necessidades nutricionais individuais para a manutenção dos estoques de energia durante a atividade física e para sua recuperação.  

Durante o exercício físico, vários fatores contribuem para a produção de energia, entre eles a composição muscular, intensidade e duração do exercício e disponibilidade de substratos para a produção de ATP. Os músculos são compostos de fibras com características metabólicas e contráteis diferentes. São classificados em dois grupos divididos com base nas características de contratilidade e de coloração histoquímica: fibras tipo I ou de contração lenta e tipo II ou contração rápida. As do tipo I têm maior capacidade oxidativa e de resistência. As fibras do tipo II são mais longas e tem maior força. A composição de fibras varia entre os músculos e entre os indivíduos.

A proporção da fonte de Energia utilizada e os mecanismos metabólicos determinados pelo organismo dependem da intensidade e da duração do exercício. A principal fonte de energia utilizada pelas células para a contração muscular é o ATP, no entanto, essa energia pode vir de outras fontes, uma vez que a concentração de ATP nas células musculares é muito baixa em comparação com as necessidades celulares durante o exercício físico (Hand, et al, 2000). Esses combustíveis metabólicos são armazenados nos músculos e outras regiões do corpo e seu metabolismo ocorrem por meio aeróbico (com oxigênio) ou anaeróbio (na ausência de oxigênio). Esses mecanismos anaeróbicos (glicólise, por exemplo) ocorrem no citoplasma enquanto que os aeróbicos (oxidação da glicose, ácidos graxos e aminoácidos), ocorrem nas mitocôndrias. A proporção de uso de cada via depende da duração e intensidade da atividade física e do condicionamento e estado nutricional do animal (Nadel, 1985; Kronfeld, et al., 1977) 
A glicose é armazenada endogenamente como glicogênio muscular e exogenamente como glicogênio no fígado e em menor proporção como glicose livre no sangue. Pode ser metabolizado para produzir ATP tanto por meios aeróbicos como anaeróbicos. Seu mecanismo anaeróbico (glicólise) resulta em rápida produção de ATP, porém com apenas dois ATP por molécula de glicose. O metabolismo aeróbico, por outro lado, produz energia mais lentamente resultando em uma maior concentração de ATP (36 por molécula de glicose). Os ácidos graxos são armazenados em amplos depósitos no tecido adiposo e também dentro dos músculos. São a principal fonte de energia para exercícios de longa duração (Hand, et al. 2000). Já os aminoácidos não são a fonte de energia primária utilizada nos exercícios físicos.  
A energia e outras necessidades nutricionais do cão atleta são determinadas pela intensidade e duração do exercício. Funcionalmente pode-se dividir a atividade física em três categorias: 1- atividades de alta intensidade como as corridas de curta distância que se mantém por 2 a 3 minutos; 2- atividades intermediárias de intensidade moderada a baixa podendo ter alguns curtos períodos de alta intensidade, durando poucos minutos a horas; 3- atividades de resistência de longa duração. Atletas de resistência têm maior proporção de fibras tipo I enquanto que atletas de corrida – alta intensidade (Greyhounds) tem maior proporção de fibras tipo II.  
A quantidade de energia necessária para o exercício depende de todo o trabalho realizado (intensidade x duração x frequência); e, a principal fonte de energia utilizada pelo cão durante o exercício, depende de sua intensidade. Desse modo, as atividades de alta intensidade ou potência dependem primariamente do metabolismo anaeróbico de Carboidratos (glicose e glicogênio). Esses animais devem receber uma dieta rica em carboidratos e com baixa gordura (baixa densidade calórica). Já as atividades de longa duração (resistência) necessitam de maior produção de energia proveniente da oxidação de Ácidos graxos. A dieta para esse tipo de exercício deve apresentar alta densidade calórica.  
Além de se fornecer uma dieta adequada, é de extrema importância realizar a reidratação adequada do animal para a manutenção da temperatura corporal normal e do balanço de água corporal. Vitaminas, minerais e eletrólitos também são importantes para a manutenção da homeostase durante o exercício. São encontrados em quantidades adequadas nos alimentos comerciais de boa qualidade não sendo necessária sua suplementação aos cães atletas.  
Autoria: OLIVEIRA, Michele Cristina de Camargo (set/2012).   
Referências Bibliográficas:
Hand, M.S., Thatcher, C.D., Remillard, R.L., Roudebush, P. Small Animal Clinical Nutrition. 4th edition. Mark Morris Institute. The canine athlete. 261-289. 2000.

Kronfeld, D.S., Hammel E.P., Ramberg, C.F. Hematological and metabolic responses to training in Racing sled dogs fed diets containing medium, low or zero carbohydrate. American Journal of Clinical Nutrition. 30:419-430. 1977.

Nadel, E.R. Adaptations to aerobic training. American Scientist. 73: 334-343. 1985.  
palavras-chave: cão, cães, atleta, exercício físico, necessidades nutricionais.
Voltar ao topo

 

 

 

 

   
B  

BIOTINA - Importância da biotina para cães e gatos

O que é a biotina e qual a sua função para cães e gatos? 

A biotina é uma vitamina hidrossolúvel do complexo B que pode ser encontrada nas frutas, leite e vegetais, como a soja, ou então, ligada à proteínas em tecidos animais, como fígado, rins, gema de ovo e leveduras, contudo, sua biodisponibilidade é bastante variável. Os cereais, as carnes e seus derivados, principais ingredientes das rações para cães, são pobres em biotina (CASE, 1998).

Ela tem como função a ativação de enzimas, ou seja, é uma coenzima transportadora dos grupos carboxílicos, importantes nas reações de carboxilação. As enzimas biotina-dependentes recebem o nome genérico de carboxilases. A biotina está envolvida nos processos de síntese de ácidos graxos, aminoácidos, purinas e do tecido epitelial, e também na conversão de carboidrato em proteína e vice versa, e na conversão de proteína e carboidrato em gordura. Ela também tem importante papel na manutenção da normoglicemia a partir do metabolismo de proteínas e lipídeos, quando a ingestão de carboidratos na dieta é baixa (McDOWELL, 1989). A biotina é absorvida principalmente no intestino delgado e eliminada em parte na urina, e em parte pelas fezes. E impossível diferenciar nas fezes a biotina ingerida da biotina sintetizada pela flora intestinal. Ela também é sintetizada por microorganismos no cólon e absorvida em pequenas quantidades neste local. 
A suplementação de biotina é necessária? 
Como as vitaminas hidrossolúveis não são estocadas no organismo, suas necessidades devem ser constantemente supridas a partir da combinação de fontes dietéticas e da biossíntese pela microbiota intestinal. A exigência de biotina pode ser afetada pela presença de ácidos graxos poli-insaturados na ração, uma vez que é rapidamente destruída na presença de alimentos rancificados e colina.
Recomenda-se a suplementação de biotina, quando da utilização de ingredientes de baixa disponibilidade desta vitamina, da presença de antagonistas na dieta (mofos e rancificação), e da utilização de algumas drogas, como as sulfas, que sob determinadas circunstâncias, podem induzir deficiência de biotina por redução de sua produção intestinal.
Em razão de sua síntese intestinal ser considerada suficiente, não há recomendações para sua inclusão nos alimentos para cães, estando sua adição ou não condicionada aos princípios nutricionais adotados pelo fabricante de alimentos.
A recomendação para gatos de todas as idades é de 0,07mg/kg de alimento, na matéria seca (NRC, 2006). 
A deficiência de biotina é comum? Como detectá-la? 
Os sinais mais importantes da deficiência de biotina ocorrem no tegumento, apesar de serem relatados sinais inespecíficos, como anorexia, perda de peso e mesmo quadros neurológicos. 
Os sinais clínicos associados à deficiência de biotina em cães não são muito bem definidos na literatura, mas associa-se à hiperceratose em epiderme e folículos, seborreia seca e descamativa, alopecia, caspas e pelagem áspera, com lesões especialmente na face, ao redor dos olhos, e formação de crostas nos casos severos. A deficiência também pode ser detectada em cães pelo declínio acentuado da concentração urinária de biotina.  
Em gatos os sinais de deficiência incluem acúmulo de secreção salivar, nasal e lacrimal, alopecia progressiva, dermatite, diarréia no estágio terminal da deficiência e atividade hepática de propionil-CoA deprimida. Deficiência de biotina é considerada de ocorrência rara em cães e gatos, mas pode ocorrer em animais alimentados com claras de ovos crus, que contém o fator anti-nutricional, avidina, que pode associar-se à biotina tornando-a inativa (a avidina é destruída com o cozimento das claras). Em relação a sua toxicidade, não existem relatos, já que sua excreção via urinária é eficiente e os níveis tolerados bastante elevados (NRC, 2006). 
Apoio ao veterinário clínico 
Foi publicado na Revista Ciência Rural o relato do caso de uma cadela com dermatose, que respondeu positivamente à suplementação com biotina (NOGUEIRA et al., 2010). Os autores relatam que uma cadela com quadro de cistite recorrente e tumor venéreo transmissível foi tratada com antibioticoterapia prolongada e quimioterapia.
Após alguns meses de tratamento, foram observadas lesões no plano nasal e nos coxins plantar e palmar, caracterizadas por hiperceratose, espessamento, fissuras, sangramento e inflamação. Relata-se que em todo o período a cadela foi alimentada com dieta comercial de boa qualidade, em quantidade suficiente para manutenção do peso corporal. O paciente recebeu suplementação de 1,4mg.kg-1 de peso corporal, uma vez por dia, durante 60 dias, havendo importante regressão das lesões. Os autores formularam a hipótese de que, possivelmente, o quadro de cistite crônica associado à presença de neoplasia, representou situação estressante prolongada que pode ter aumentado a demanda pela vitamina; e a antibioticoterapia prolongada para tratamento da cistite poderia ter alterado a microbiota intestinal e consequentemente a síntese de biotina.
Como conclusão deste caso, os autores sugerem que a suplementação com biotina possa ser empregada como recurso terapêutico em desordens de ceratinização, especialmente quando localizadas em coxins, bem como deva ser suplementada nos alimentos industrializados, especialmente naqueles destinados a pacientes enfermos ou com alterações dermatológicas. 
Autoria: LOUREIRO, Bruna Agy. (maio/2013).
Para saber mais (estes trabalhos constam do Banco de Referências Bibliográficas clique aqui):

CASE, L.P. et al. Nutrição canina e felina: Manual para profissionais. Madrid: Harcourt Brace, 1998. 424p.

 

McDOWELL, L.R. Vitamins in animal nutrition. San Diego: Academic, 1989. 486p.

 

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient requirements of dogs and cats. Washington: The National Academy, 2006. 424p.

 

NOGUEIRA, S.P.; BRUNETTO, M.A.; JEREMIAS, J.T.; GOMES, M.O.S.; TESHIMA, E.; CARCIOFI, A.C. Dermatose responsiva à biotina em cão. Ciência Rural, v.40, p. 682-685, 2010.  

 

Zempleni, J. Kuroishi, T. Biotin - Nutrient information. American Society for Nutrition. Advances in Nutrition. 3: 213–214, 2012; doi:10.3945/an.111.001305.

palavras-chave: biotina; vitamina H; vitamina B8; vitamina B7; cadela; cão; cães; gato; gata.
Voltar ao topo  

 

 




C  

(CÁLCIO) SUPLEMENTAR OU NÃO CÁLCIO PARA FÊMEAS E FILHOTES?

aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: cálcio; suplementar; gestação; lactação; cadela; gata; filhote; ração.
Voltar ao topo  
 



 

(CASEIRA) DIETA CASEIRA PARA CÃES E GATOS: É POSSÍVEL ALIMENTAR CÃES E GATOS DE FORMA EQUILIBRADA COM ESTE TIPO DE ALIMENTO?

A nutrição humana e dos animais desperta um interesse crescente. Os alimentos comerciais para cães e gatos proporcionam numerosas vantagens sobre os caseiros, como a conveniência, o custo e a regularidade. Em geral, são mais fáceis de administrar, menos custosos e oferecem um balanço nutricional mais adequado que os alimentos caseiros. Mesmo assim, muitos proprietários preferem preparar a comida para seus animais e ao fazerem isso se sentem menos culpados e têm a impressão de oferecer uma mais ¨tradicional¨, ou então, desejam oferecer um alimento mais natural ou orgânico. É importante ressaltar que os termos ¨natural¨e ¨orgânico¨têm um significado diferente para distintas pessoas. Alguns proprietários consideram que o termo natural significa que não contém nenhum ingrediente ou aditivo sintético. Outros acreditam que um alimento é orgânico quando não contém ingredientes de animais tratados com hormônios, nem com cereais ou grãos produzidos com praguicidas ou fertilizantes sintéticos. Estas pessoas acreditam que só os ingredientes naturais podem oferecer uma nutrição correta tanto para eles quanto para seus animais. Devido às interpretações pessoais destes termos, seria útil definir, de uma forma mais específica, as preocupações do cliente antes de recomendar um alimento, seja ele caseiro ou comercial.

O clínico veterinário deve estar preparado para atender as necessidades desse tipo de cliente, além disso, em determinadas situações o próprio médico veterinário necessita lançar mão desse tipo de alimento, como por exemplo, oferecer um alimento com um perfil nutricional para o manejo de uma enfermidade para a qual não existe um alimento comercial apropriado. Na maioria das vezes, uma alimentação caseira correta depende de se preparar alimentos especialmente para os animais e não se recolher sobras ou alimentos preparados para o homem e os oferecer a cães e gatos. Desta forma, conversar sobre estes inconvenientes e esclarecer devidamente o proprietário é bastante importante. Deve-se considerar que nada é mais barato, simples e seguro do ponto de vista nutricional que o fornecimento de um bom alimento industrializado, formulado para a condição fisiológica específica de cada animal.

Para que o animal receba um alimento caseiro, e este seja o mais completo e balanceado possível, é necessário um conhecimento prévio das necessidades nutricionais de cães e gatos e dos ingredientes que serão utilizados no preparo do alimento. Receitas ou fórmulas caseiras podem ser obtidas a partir de literatura veterinária, livros didáticos e na Internet. No entanto, cuidados devem ser tomados ao se prescrever dietas destas fontes. Estas devem ser analisadas para garantir que sua composição seja realmente completa e equilibrada para o animal, ou que tenham as devidas modificações nutricionais para auxiliar efetivamente no tratamento da afecção em questão. As dietas caseiras em sua grande maioria não apresentam um balanço ideal de minerais e a deficiência de cálcio é muito comum. A maior parte dos alimentos necessita de um suplemento específico de cálcio. Dependendo da proporção e da fonte protéica empregada na formulação da dieta, torna-se necessário a suplementação de cálcio e fósforo para que se possa manter uma relação entre 1,2:1 a 1,5:1 respectivamente.
Deve-se conversar com o proprietário sobre a importância deste manter as quantidades prescritas dos ingredientes. Alguns alimentos são necessários em muito pequena quantidade, de forma que sua quantificação depende de uma balança adequada, o que não existe na casa do proprietário. Assim, ajudá-lo a definir como irá medir as quantidades ou volumes, de modo a se manter o perfil nutricional da dieta, é importante. Alimentos como o fosfato bicálcico, por exemplo, são extremamente concentrados em nutrientes. Por exemplo, uma variação de apenas 1 grama para menos significa o não fornecimento de cálcio e fósforo, enquanto uma variação de 1 grama para mais no fornecimento excessivo destes elementos, podendo causar problemas ao animal. Para gatos recomenda-se suplementar taurina (40 mg por quilograma de peso corporal por dia) e, além disso, durante o preparo dos alimentos a água do cozimento não deve ser desprezada, pois contém boa parte da taurina das carnes.
A dieta deve ser armazenada em compartimentos hermeticamente fechados e guardada em geladeira por 3-5 dias. Alternativamente, estas podem ser congeladas por dias ou meses e descongeladas entes do uso. A dieta deve ser aquecida à temperatura corporal antes do fornecimento para o animal. O suplemento vitamínico e mineral deve ser adicionado no momento da refeição.
Autoria: JEREMIAS, Juliana Toloi (Jul/2009).

Para saber mais:

JEREMIAS, J. T. et al. Manejo nutricional e digestibilidade no quilotórax canino. Ciencia. Rural [online]. 2009, vol.39, n.1, pp. 258-261.ISSN 0103-8478. doi:10.1590/S0103-84782008005000052.


CASE, L.P. et al. Nutrição canina e felina: Manual para profissionais. Madrid: Harcourt Brace, 1998.

Fascetti A. J., Delaney S. J., (eds.), Applied veterinary clinical nutrition. West Sussex, United Kingdom: Wiley-Blackwell, 2012.

 

Larsen JA, Parks EM, Heinze CR, Fascetti AJ. Evaluation of recipes for home-prepared diets for dogs and cats with chronic kidney disease. J Am Vet Med Assoc. 2012 Mar 1;240(5):532-8. 

 

 

CARCIOFI, A. C. ; BAZOLLI, Rodrigo Sousa ; ZANNI, A. ; KIHARA, L. R. L. ; PRADA, F. Influence of water content and the digestibility of pet foods on the water balance of cats. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 42, p. 429-434, 2005.

 

 

BRUNETTO, Márcio A. ; Gomes, Marcia O. S. ; Andre, Marco R. ; TESHIMA, Eliana ; Gonçalves, Karina N. V. ; Pereira, Gener T. ; Ferraudo, Antonio S. ; Carciofi, Aulus C. . Effects of nutritional support on hospital outcome in dogs and cats. Journal of Veterinary Emergency and Critical Care (San Antonio), v. 20, p. 224-231, 2010. 

palavras-chave: comida caseira; dieta caseira; comida natural; AN; balaceamento; cão; cães; gato.

Voltar ao topo

 
 
 

(CLÍNICA) CONSULTA CLÍNICA NUTRICIONAL

Introdução
A consulta clínica nutricional consiste na avaliação da condição nutricional do paciente e serve para estabelecer as necessidades nutricionais do cão ou do gato e determinar o plano de alimentação mais adequado de acordo com o estado fisiológico ou condição de doença do animal. É importante que seja estruturado de maneira a se obter - na anamnese - um histórico alimentar preciso e detalhado e histórico médico. No exame físico deverá ser realizada  avaliação de escore de condição corporal e exames laboratoriais específicos e outros testes diagnósticos poderão ser solicitados.

Anamnese
A obtenção do histórico do animal e do relatório médico podem ajudar na determinação do estado nutricional do paciente. Dados como espécie, raça, idade, gênero, estado reprodutivo, nível de atividade e ambiente em que vive são informações importantes que fazem parte do histórico e definem o estado fisiológico do paciente.
Para o histórico alimentar deve-se incluir entre os dados o tipo de alimento oferecido,  constitui-se de alimento caseiro, comercial ou uma mistura de ambos. No caso de alimento caseiro, deve-se perguntar quais os ingredientes utilizados e em qual proporção e quantidade, se são cozidos ou crus, se fornece algum tipo de suplementação.
Para os alimentos comerciais – popularmente denominados de ração -, deve-se verificar o tipo (seco, úmido ou semi-úmido), a marca e a quantidade oferecida. Informações sobre o consumo de quaisquer tipos de petiscos e uso de suplementação vitamínico mineral são de extrema importância e não podem ser omitidos. Outras informações incluem o método de alimentação (ad libitum, alimento restrito), ingestão hídrica, alterações recentes no tipo de alimento ou na preferência do animal, presença de outros animais com acesso ao alimento, qual o nível de atividade do animal, se o animal foi castrado recentemente, se o animal tem acesso a rua, quem é a pessoa que alimenta o animal ou se todas as pessoas da casa ou família o alimentam.
A revisão do histórico médico fornece informações acerca do estado de saúde prévio do animal, procedimentos clínicos e/ou cirúrgicos realizados além da prescrição de medicamentos os quais podem estar relacionados ao estado nutricional atual do paciente.

Exame físico
No exame físico deve-se verificar perda ou ganho de peso, escore de condição corporal, saúde oral e dos dentes, dificuldades de apreensão, mastigação ou deglutição, aspecto geral de pele e pêlos, alteração de micção, defecação ou apetite e há quanto tempo isso vem ocorrendo (hiporexia ou anorexia).
O peso do paciente pode ser comparado ao padrão da raça ou ainda com o peso corporal anterior no histórico médico verificando assim ganho ou perda significativa de peso indicando alterações metabólicas.
A condição corporal é uma avaliação subjetiva, e em geral verifica-se os estoques de gordura corporal do paciente e a massa muscular. A cobertura adiposa é avaliada sobre as costelas, próximo a cauda e ventralmente junto ao abdômen. Deve-se levar em consideração as diferenças entre as espécies canina e felina e a idade do paciente. A inspeção da cavidade oral e dentária bem como informações a respeito da apreensão, mastigação e deglutição podem indicar eventuais distúrbios que levam à diminuição do apetite. Alterações de pelagem também podem indicar estado de má nutrição.

Exames complementares
Os Exames laboratoriais podem identificar parasitas intestinais (exame de fezes), assim como urinálise, exames de sangue e perfil bioquímico podem demonstrar desordens metabólicas ou outras doenças. A concentração de albumina, contagem de linfócitos e proteína total podem servir como indicadores gerais do estado nutricional. Em casos específicos a avaliação de exames radiográficos e ultrassonográficos também podem ser indicadas.

Conclusão
De posse de todas as informações obtidas no exame clínico, obtém-se uma visão do estado nutricional do paciente que pode estar em condição nutricional adequada ou mal nutrido. Em qualquer um dos casos deve-se formular um plano de alimentação informando o tipo de alimento a ser fornecido, a quantidade, a via de alimentação e o número de refeições. O proprietário deve ser adequadamente orientado a seguir as prescrições corretamente e retornar com o paciente dentro do período estipulado para que seja novamente reavaliado.  Desse modo é possível realizar uma intervenção nos casos de má nutrição por subnutrição ou obesidade ou ainda prevenir a má nutrição em pacientes sob risco de desenvolvê-la.

Autoria: OLIVEIRA, Michele Cristina de Camargo (mar/2012).

Para saber mais:

Hands, M.S.; Tatcher, C.D.; Remillard, R.I.; Roundebusch, P. Small Animal Clinical Nutrition, 4th ed. Topeka: Mark Morris Institute. 2000.


LaFlamme, D.P., Kealy R.D.; SchimdtD.A. Estimation of body fat by body condition score. In: Proceedings. Twelfth Annual Veterinary Medical Forum, American College of Veterinary Internal Medicine, San Francisco, CA. 985. 1994.


Watson, T.D.G. Diet and Skin Disease in dogs and cats. In:  Waltham International Symposium on Pet Nutrition and Health in the 21st Century, Orlando, FL. 2783S-2789S. 1997.


Streiff, E.L.; Zwischenberger, B. Butterwick, R.F.; Wagner, E. A comparison of the Nutritional Adequacy of Home-Prepared and Commercial Diets for Dogs. Journal of Nutrition. 132: 1698S-1700S. 2002.


Case, L.P.; Carey, D.P.; Hirakawa, D. A. Nutri A. Nutrição Canina e  Felina – Manual para profissionais, 1st Ed. Varela. 1998.  .

palavras-chave: anamnese; exame físico; cães; cão; gatos; gata; peso; escore de condição corporal; quantidade de alimento.
Voltar ao topo  
 
 

(CRESCIMENTO) NUTRIÇÃO DE CÃES EM CRESCIMENTO

aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: crescimento; cães; cão; filhote; cálcio; fósforo; densidade energética; suplemento.
Voltar ao topo  
 
 



E  

EVOLUÇÃO ALIMENTAR DO CÃO

Evolução Alimentar dos cães  aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: lobo; matilha; comportamento alimentar; selvagem; cadela; cão; natural.
Voltar ao topo  
 
 

EVOLUÇÃO ALIMENTAR DO GATO

Evolução Alimentar do Gato aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: ancestrais; comportamento alimentar; selvagem; gata; gato; natural; carnívoro.

Voltar ao topo

 

 




 

   
F  

FRUTOOLIGOSSACARÍDEOS (FOS) COMO PREBIÓTICOS PARA CÃES E GATOS

As frutanas são polímeros de frutose, podendo ser naturais, derivados de plantas (inulina) ou sintéticos, resultante da polimerização da frutose (Gibson e Roberfroid, 1995). A inulina é um termo aplicado a uma mistura heterogênea de polímeros de frutose, de cadeia linear com tamanho variável, unidos por ligações do tipo ß(2-1), encontrados amplamente na natureza como carboidratos de armazenamento de plantas como alcachofras, cebola, alho, aspargo, banana, tomate, cevada, centeio, trigo, raiz de chicória e yacon (Roberfroid et al., 2010). Grande parte da inulina e oligofrutose disponíveis no mercado de ingredientes é sintetizada a partir da sacarose ou extraída das raízes de chicória (Niness, 1999).

 

Tratando-se de carboidratos não-redutores não participam das reações de Maillard e são altamente estáveis em diferentes condições de pH e temperatura (Van Loo et al., 1998). Possuem resistência à acidez gástrica, hidrólise enzimática e absorção gastrointestinal, penetrando no intestino grosso onde servirão de substrato para microrganismos benéficos (Roberfroid, 2007). A fermentação no intestino grosso produz os ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), dentre estes os mais estudados o ácido lático, propiônico, butírico e acético. Estes compostos promovem uma acidificação do lúmen intestinal fornecendo um meio propício ao crescimento de bactérias benéficas como os Lactobacillus e Bifidobacterium em detrimento das bactérias patogênicas como Clostridium, E.coli, Listeria, Salmonella e outras (Cummings et al., 2001).

 

A absorção dos AGCC é rápida sendo que acetato e propionato chegam a circulação portal e em seguida ao fígado e o butirato é utilizado como principal fonte de energia para os colonócitos. Estudos recentes têm demonstrado que as células do sistema imunológico, especialmente polimorfonucleares, expressam receptores acopladores de proteína-G (GPRs) capazes de transportar os AGCC para o interior destas células, evidenciando a importância destes substratos energéticos para o sistema imunológico (Roberfroid et al., 2010). A suplementação com FOS pode reduzir a produção de compostos putrefativos (fenóis, indóis e amônia), os quais contribuem para o mau odor das fezes e para a carcinogênese do cólon (Swanson et al., 2002).

 

Os mecanismos pelos quais os prebióticos são capazes de melhorar a resposta imunológica do hospedeiro ainda são pouco conhecidos. Ao estimularem o crescimento das bactérias produtoras de ácido láctico, os prebióticos atuam indiretamente e de forma benéfica sobre o sistema imune do hospedeiro, pois estas populações bacterianas produzem substâncias com propriedades imuno-estimulatórias (ex. lipopolissacarídeos, peptideoglicanas e ácidos lipoteicóicos) que interagem com o sistema imune em vários níveis, incluindo a produção de citocinas, a proliferação de células mononucleares, a fagocitose macrofágica e a indução na síntese de imunoglobulinas, em especial as IgA de mucosa (Macfarlane & Cummings, 1999).

 

Em humanos, o FOS demonstrou efeitos benéficos em pacientes com infecções intestinais e condições inflamatórias como colite ulcerativa ativas e síndrome do intestino irritável. Apesar destas evidências do efeito benéfico do FOS sobre a saúde em humanos, os estudos com prebióticos em cães e gatos ainda são relativamente escassos e apresentam resultados um tanto quanto controversos.

 

Estas revisões sistemáticas: CELULOSE, FRUTOOLIGOSSACRÍDEOS E PECTINA DIETÉTICOS MODIFICAM CATABÓLITOS PROTÉICOS FECAIS E POPULAÇÕES MICROBIANAS EM GATOS ADULTOS e PREBIÓTICOS, FUNÇÃO IMUNE, INFECÇÃO E INFLAMAÇÃO: UMA REVISÃO DAS EVIDÊNCIAS, cujas referências bibliográficas constam a seguir, são importantes quando abordam assuntos em que as pesquisas ainda são insuficientes para tomadas de decisão sobre o uso de alguns ingredientes ou nutrientes. Neste caso, segundo os autores, os estudos realizados em modelos animais e em humanos parecem evidenciar benefícios a saúde, com possívei implicações de uso não somente para animais saudáveis, mas também em animais com distúrbios gastrointestinais. Infelizmente o número de estudos em cães e gatos ainda é pequeno para estas tomadas de decisão, no entanto, à semelhança de modelos animais e humanos, os resultados tem apontado evidências no mesmo sentido.

Autoria: VASCONCELLOS, R. S. & Felssner, K. S.
Referências Bibliográficas:

Gibson GR, Roberfroid MB. Dietary modulation of the human colonic microbiota: Introducing the concept of prebiotics. Journal of Nutrition, 125: 1401-1412, 1995.

 

Roberfroid et al. Prebiotic effects: metabolic and health benefits. British Journal of Nutrition, 104: Supplement 2, 2010.

 

Niness, K.R.. Inulin and oligofructose: what are they?. American Society for Nutritional Sciences, 129: 1402S-1406S, 1999.

 

VAN LOO, J.; CUMMINGS, J.; DELZENNE, N.; ENGLYST, H.; FRANCK, A.; HOPKINS, M.; KOK, N.; Mc FARLANE, G.; NEWTON, D.; QUIGLEY, M.; ROBERFROID, M.; VAN VLIET, T.; VAN DEN HEUVEL, E. Functional food properties of non-digestible oligosaccharides: a consensus report from the ENDO project (DGXII – CT94-1094). British Journal of Nutrition, v.81, p.121-132, 1998.

 

Roberfroid, M.B. Inulin-type fructans: functional food ingredients. Journal of Nutrition,137(11 Suppl):2493S-2502S, 2007.

 

SWANSON, K.S.; GRIESHOP, C.M.; FLICKINGER, E.A. et al. Fructooligosaccharides and Lactobacillus acidophilus modify bowel function and protein catabolites excreted by healthy humans. J. Nutr., v.132, p.3042-3050, 2002.

 

Macfarlane GT, Cummings JH (1999). Probiotics and prebiotics: can regulating the activities of intestinal bacteria benefit health. BMJ. 318: 999-1003.

 

Barry, KA; Wojicicki, BJ; Middelbos, IS; Vester, BM; Swanson, KS; Fahey Jr., GC . Dietary cellulose, fructooligosaccharides, and pectin modify fecal protein catabolites and microbial populations in adult cats. Journal of Animal Science, 88: 2978-2987, 2010.

 

Lomax, AR; Calder, PC. Prebiotics, immune function, infection and inflammation: a review of the evidence. British Journal of Nutrition; VOL 101; NUMB 5; pp. 633-658; 14 Mar 2009.

palavras-chave: FOS; prebiótico; alimento; cadela; cão; cães; gato; gata.
Voltar ao topo  



H  

(HEPÁTICO) MANEJO NUTRICIONAL NAS DOENÇAS HEPÁTICAS DE CÃES E GATOS

Introdução

As afecções que comprometem as funções de um órgão com atividade metabólica como o figado, são consideradas entre as mais difíceis de serem tratadas na prática clínica. O fígado normal desempenha cerca de 1500 funções bioquímicas, dentre elas, apresenta papel chave nos processos de digestão e metabolismo dos alimentos e nutrientes. O manejo nutricional é um dos pontos principais na abordagem destes pacientes. Os objetivos são proporcionar condições ótimas para o reparo e regeneração do órgão e evitar ou tratar as complicações da insuficiência hepática, como a encefalopatia ou a ascite. As hepatopatias crônicas comumente levam os cães à desnutrição devido a vários fatores, dentre os principais, pode-se citar: anorexia e náuseas, que resultam em redução no consumo de alimento; prescrições dietéticas incorretas, principalmente com restrição protéica; má digestão e assimilação dos nutrientes (nos casos de cirrose e hipertensão portal); e aumento das necessidades energéticas, condição denominada hipermetabolismo. Acrescenta-se a estes fatores, a disponibilidade anormal dos ácidos biliares, alterações da mucosa intestinal, conseqüentes ao edema, danos capilares e hipertensão portal, que podem refletir-se em redução da absorção de gordura.  

Energia

O primeiro aspecto a ser considerado nestes pacientes é o aporte calórico adequado. O uso de fontes calóricas não protéicas é importante para prevenir a mobilização de aminoácidos como fonte energética, evitando ou diminuindo o processo de gliconeogênese hepática. As dietas devem apresentar alta densidade energética para atender as necessidades calóricas e para diminuir o volume de alimento a ser fornecido. As necessidades calóricas de manutenção podem ser estimadas pela equação 110-130 x (peso corporal) 0,75 Kcal por dia para cães e 60-70 Kcal por Kg de peso corporal para gatos. Dietas em que 30 a 50% das calorias sejam provindas das gorduras são bem toleradas por cães hepatopatas, com exceção aos casos que apresentem esteatorréia ou hiperlipidemia. Alguns autores recomendam restrição deste nutriente, porém, numerosos estudos têm documentado benefícios ao fornecer dietas com alta concentração de gordura (25-30% da matéria seca) em cães com lesões experimentais. Este nutriente apresenta alta densidade energética, reduz a intolerância aos carboidratos, aumenta a absorção de vitaminas lipossolúveis, melhora o paladar, além de ser fonte de ácidos graxos essenciais. Alterações no metabolismo dos carboidratos em cães e gatos com doença hepática podem induzir hiper ou hipoglicemia. A hiperglicemia foi constatada em alguns cães com cirrose e anastomose vascular portossistêmica e em gatos com lipidose hepática (LHF) e colangite ou colangiohepatite. Em função disso, os carboidratos devem ser integrados à dieta em proporções não superiores a 45% do conteúdo calórico. A quantidade de alimento fornecida deve ser ajustada para que se consiga atingir e manter o peso corporal ótimo. Pequenas refeições devem ser fornecidas (4 a 6 vezes) para minimizar a possibilidade de ocorrência de encefalopatia hepática e hipoglicemia de jejum, além de reduzir o catabolismo tecidual entre as refeições.

Proteínas

A quantidade e o tipo de proteína que deve ser administrada ao paciente hepatopata ainda é um assunto bastante controverso. A princípio, animais com alteração hepática devem ser alimentados com tanta proteína puderem tolerar. A restrição protéica quando prescrita de forma incorreta pode induzir ou agravar o estado de subnutrição, piorar as funções hepáticas para a síntese protéica, e resultar em balanço calórico e nitrogenado negativos. Até o momento não são conhecidas as necessidades protéicas para a regeneração do tecido hepático em cães e gatos. A quantidade necessária para manutenção, reparação e regeneração celular variam com o tipo e gravidade da hepatopatia. Em afecções acompanhadas por inflamação e regeneração tissular recomenda-se uma leve suplementação de proteína. Pacientes com insuficiência hepática crônica são hipermetabólicos e os que apresentam lesão hepática inflamatória ou necrose necessitam de mais nitrogênio e energia. Para estes casos, recomenda-se a ingestão diária de 2-3g de Proteína por Kg de peso corporal para cães e 5g de Proteína por Kg de peso corporal para gatos . A qualidade e a digestibilidade da proteína é extremamente relevante, sendo recomendado fontes como o ovo e o leite. A restrição somente está recomendada para animais com sinais de encefalopatia hepática (EH). Entretanto, a maioria dos cães e gatos com hepatopatias não apresentam quadro de EH, que ocorre mais comumente nos desvios portossistêmicos, insuficiência hepática aguda e na cirrose. Pacientes com sinais de EH responderam de forma positiva com a utilização de 2,11g de proteína bruta por kg de peso corporal ao dia, o equivalente a 14-16% do total calórico dietético ou 15-20% da matéria seca para cães e 25-30% das calorias (25-30% da matéria seca) para gatos. As recomendações mais recentes indicam 1-1,5g de proteína por Kg de peso corporal para cães e 3-4g de proteína por Kg de peso corporal para gatos. Os quadros de cirrose que apresentam EH são mais difíceis de serem conduzidos. Esses animais necessitam de aporte protéico para manutenção do balanço nitrogenado, porém a ingestão de proteína pode resultar em EH. Por outro lado, se entrarem em balanço nitrogenado negativo, podem ficar desnutridos, com piora da função hepática e estado geral. A manutenção do balanço nitrogenado pode apresentar efeitos positivos sobre a EH, pois facilita a regeneração hepática e aumenta a capacidade da musculatura em metabolizar amônia. Embora existam diferentes opiniões a respeito da fisiopatologia da EH, seu tratamento objetiva a redução da produção e absorção de amônia, proveniente da degradação bacteriana de substratos protéicos no cólon. Estratégias polifarmacológicas baseiam-se no uso de lactulose, antibióticos, prebióticos, fibras solúveis e a restrição protéica. Um estudo clínico concluiu que o controle da hiperamonemia foi mais eficiente com a associação da lactulose, probiótico e restrição protéica do que o uso isolado destas práticas. Com relação a composição de aminoácidos da fonte protéica, aventa-se que concentrações reduzidas de aminoácidos de cadeia ramificada (leucina, isoleucina e valina) e concentrações aumentadas de aminoácidos aromáticos (fenilalanina, tirosina, e triptofano) podem causar EH pela produção de falsos neurotransmissores, porém isso não foi comprovado em um estudo em cães, que concluiu que a quantidade de proteína ingerida foi mais importante do que sua composição em aminoácidos.  

Vitaminas e Minerais

A absorção intestinal das vitaminas lipossolúveis pode estar diminuída nas situações em que ocorre redução da secreção de ácidos biliares. A suplementação de vitamina E (400-600 UI/dia) é recomendada para prover proteção contra radicais livres produzidos pela injúria oxidativa e principalmente em situações de colestase e doenças do armazenamento de cobre. O paciente deve receber suplementação com vitaminas hidrossolúveis B1 e B12 (o dobro da dose de manutenção, por via parenteral). Não é necessária a suplementação das vitaminas A e D, além das doses de manutenção, pois não há evidência de que animais com doença hepática apresentem depleção dessas vitaminas. Deficiência de vitamina K pode ocorrer em desordens colestáticas, sendo recomendada sua suplementação (0,5 -1,0 mg/Kg, subcutâneo, a cada 12 horas). A restrição de sódio dietético é recomendada em pacientes com edema ou ascite. As concentrações preconizadas até o momento estão em aproximadamente 240mg de sódio por 100g de dieta (na matéria seca). Em animais hiporéticos ou anoréticos, a restrição pode ser mais branda, pois a ingestão protéico-calórica é mais importante. A restrição do cobre dietético é recomendada, principalmente nas doenças do armazenamento de cobre, que ocorrem em Bedlington Terrier, West Highland White Terrier e Skye Terrier. O acúmulo secundário de cobre no tecido hepático pode ocorrer, também, em doenças colestáticas, pois a bile é o principal meio de excreção deste elemento, acometendo diversas raças de cães. Esses pacientes devem receber dietas com níveis inferiores a 5 ppm de cobre. Dietas com alta concentração de zinco (>40mg por 1000Kcal) podem ser indicadas nestes casos. O zinco induz aumento da concentração intestinal de metalotioneína, a qual liga o cobre ingerido às células epiteliais intestinais, impedindo sua absorção. À medida que essas células são esfoliadas, o cobre é subseqüentemente perdido nas fezes. A suplementação diária objetiva atingir concentrações plasmáticas de 200 a 600 mcg/dL. A hipocalemia é bastante comum nas hepatopatias e é resultante de vômitos e diarréias freqüentes, baixa ingestão alimentar ou pelo uso excessivo de diuréticos para o tratamento da ascite, sendo necessária a suplementação de potássio em muitos casos.

Considerações Finais

O tratamento das doenças hepáticas requer cuidadosa atenção das necessidades particulares de cada paciente. O manejo nutricional objetiva reduzir o trabalho hepático e ao mesmo tempo atender as necessidades protéico-calóricas, vitamínicas e minerais de manutenção e promover a regeneração do órgão lesado. Dietas para estes propósitos, devem ser formuladas com ingredientes de qualidade superior, para suprir a demanda protéica necessária e apresentar alta densidade energética, com adequados teores de carboidrato e gordura, para diminuir o volume a ser administrado e para reduzir o uso de proteínas como fonte energética, evitando a formação de produtos nitrogenados. 
Autoria: BRUNETTO, Márcio Antonio e CARCIOFI, Aulus Cavalieri (2009).

Literatura citada:

Bauer J.E. 2004. Nutritional Management of Liver Disease. In: Proceedings of the Pet Food Industry: Focus on Veterinary Nutrition (Chicago, U.S.A.). pp.75-82.


Brum A.M., Champion T., Zanatta R., Costa M.T. & Canola J.C. 2007. Utilização de probiótico e lactulose no controle de hiperamonemia causada por desvio vascular portossistêmico congênito em um cão. Revista Ciência Rural. 37: 572-574.


Center S.A. 1998. Nutritional support for dogs and cats with hepatobiliary disease. Journal of Nutrition.128 (Suppl 12): 2733-2746.


Meyer H.P., Chamuleau R.A., Legemate D.A., Mol J.A. & Rothuizen J. 1999. Effects of a branched-chain amino acid-enriched diet on chronic hepatic encephalopathy in dogs. Metabolic brain disease. 14:103-105.


Roudebush P., Davenport D.J. & Dimski D.S. 2000. Hepatobiliary Disease. In: Hand M.S., Thatcher C.D., Remillard R.L. & Roudebush P. (Ed). Small Animal Clinical Nutrition, 4. ed. Topeka: Mark Morris Institute. pp.811-847.


Rutgers C. & Biourge V. 2006. Nutrition of dogs with liver disease. In: Pibot P., Biourge V. & Elliott D. Encyclopedia of Canine Clinical Nutrition. Aimargues:Aniwa SAS. pp.134-161.


Twedt D.C. 2001. Antioxidants and liver disease. In: Proceedings of the 19th Annual ACVIM Forum(Seattle, U.S.A.). pp.612.

palavras-chave: doença hepática; fígado; manejo nutricional; sódio; cadela; cão; gato; gata.
Voltar ao topo  
 
 

HIPERSENSIBILIDADE ALIMENTAR: O QUE É E COMO TRATAR

A hipersensibilidade alimentar é um tipo de reação adversa de origem imunológica não sazonal e pruriginosa associada à ingestão de alguma substância (material antigênico) encontrada no alimento do cão (Scott et al, 2001) ou do gato. A base imunológica da alergia alimentar em cães e gatos não é bem caracterizada. Em humanos, a hipersensibilidade do tipo I é relatada com mais freqüência, porém, as hipersensibilidades dos tipos III e IV também estão envolvidas (Ihrke, 2009). Os sinais clínicos são cutâneos e normalmente incluem prurido e eritema, podendo afetar qualquer parte do corpo do animal sendo que a face, as orelhas, as extremidades e a região ventral são os locais mais acometidos. Freqüentemente, observa-se otite externa e, em casos graves, otite média. Pioderma secundário, dermatite piotraumática, sobrecrescimento bacteriano e sinais relacionados com prurido crônico como perda de pelos, hiperpigmentação, liquenificação, escoriação e ulceração também podem ocorrer (Loefler et al, 2004). Podem ocorrer sinais gastrintestinais juntamente com sinais dermatológicos.  

A proteína do alimento tem um potencial de iniciar uma resposta alérgica caso seja digerida de maneira incompleta no intestino, absorvida intacta ou parcialmente intacta através da mucosa, e dessa maneira, chega ao tecido linfóide sistêmico (Moreno & Tavera 1999). Dentre os alimentos que mais freqüentemente são causadores de reações de hipersensibilidade em cães estão as carnes bovina e de frango, ovos, produtos lácteos e a soja, entretanto, todas as proteínas de origem animal são consideradas potencialmente alergênicas. O método ideal de diagnóstico, quando se suspeita de hipersensibilidade alimentar é o fornecimento de uma dieta de eliminação contendo fontes de proteínas e carboidratos aos quais o animal não esteve previamente exposto.  Com a melhora dos sinais clínicos realiza-se em seguida o teste de provocação pra demonstrar a reincidência desses sinais (Case et al 1998).O principal diagnóstico diferencial para a alergia alimentar canina são as demais alergias como a dermatopatia à ectoparasitas (DAPE) e a dermatite atópica além das Sarnas (escabiose e demodiciose). As hipersensibilidades alimentares respondem fracamente à terapia com corticosteróides quando comparada a outras doenças alérgicas. 

As dietas caseiras são tradicionalmente recomendadas, visto que é possível adequar o paciente à nova dieta  baseando-se em seu histórico alimentar, evitando alimentos aos quais foi anteriormente exposto (Reedy et al., 1997; Scott, 2001). Dietas de eliminação baseada em soja hidrolisada podem ser uma maneira prática e eficiente para o diagnóstico da hipersensibilidade em cães, no entanto, a ausência de resposta não indica necessariamente a ausência de uma hipersensibilidade alimentar o que poderia requerer o uso de outro tipo de dieta de eliminação como uma dieta caseira, por exemplo.

Geralmente as dietas caseiras são prescritas na proporção de três partes de carboidrato e uma parte de proteína. Carne de carneiro, búfalo, coelho, rã, cavalo, cervo ou canguru são fontes protéicas recomendadas, entretanto, qualquer fonte protéica não utilizada previamente na alimentação do paciente, pode ser administrada. Batata, batata doce, feijão ou inhame são fontes de carboidrato recomendadas. A porção protéica pode ser aumentada de acordo com as necessidades do paciente, mas nunca deve estar abaixo de 25% da composição final da dieta. O alimento deve conter energia metabolizável atendendo as necessidades de manutenção do animal. Nenhum ingrediente deve ser incluído sem prévio consentimento do médico veterinário (Miller, 2007) e a prescrição deve ser seguida pelo proprietário por no mínimo seis semanas.  Utiliza-se para a produção deste tipo de dieta o mínimo de aditivos possíveis, como óleo e sal e não se deve fornecer ao animal nenhum outro tipo de alimento ou petiscos. A alimentação prolongada com uma ou mais novas fontes protéicas, podem resultar no desenvolvimento da hipersensibilidade a essas novas fontes (Reedy et al., 1997; Brown et al., 1995). Por esse motivo é importante fazer a escolha de somente uma fonte protéica por vez.

Após o período mínimo de seis semanas, verificando-se a melhora nos sinais clínicos deve-se introduzir à dieta de eliminação, o sal, o óleo e os minerais mantendo-se a dieta por no mínimo mais seis semanas e, numa última etapa, introduzir a suplementação de vitaminas. Com a completa melhora clínica, confirma-se o diagnóstico de hipersensibilidade alimentar expondo novamente o animal ao alimento previamente consumido e observando novamente o surgimento dos sinais clínicos. O animal deve receber a dieta hipoalergênica ao longo de toda sua vida ou até que venha a desenvolver hipersensibilidade a algum componente da nova dieta. Esta dieta pode ser caseira, desde que devidamente completa e balanceada ou comercial.
Autoria: OLIVEIRA, Michele Cristina de Camargo (2012).
Referências Bibliográficas:

Brown CM, Armstrong PJ, Globus H. Nutrition management of food allergy in dogs and cats. Compend; 17:637-659. 1995.


Case L.P., Carey D.P., Hirakawa D.A. Nutritionally Responsive Dermatoses. In: Canine and Feline Nutrition: Resource for Companion Animal Professionals. 2ª.ed. Mosby: St. Louis p. 429-450.1998.


Loeffler A, Lloyd DH, Bond R, et al. Dietary trials with a commercial chicken hydrolysate diet in 63 pruritic dogs. Vet Rec. 154(17):519–22. 2004.


Miller RS. 2007. Diagnosis of food adverse reactions in small animals. The North American Veterinary Conference. Disponível em: www.ivis.org. Acesso em 28/06/2009.


Moreno E.C., Tavera F.J.T. Hipersensibilidad alimentaria canina. Vet Méx, 30(1). P. 67-77. 1999.
Scott, D.W.; Miller, C.E. Muller & Kirks´s. Small animal dermatology. 6th Ed Philadelphia: W.B. Saunders. Canine Food Hypersensibilivity; p.615-24. 2001.


Reedy LM, Miller WH, Wilemse T. Allergic Skin Diseases of Dogs and Cats. Philadelphia, PA: WB Saunders; 173-188. 1997.


Scott DW, Miller WH, Griffin CE. Skin immune system and allergic skin diseases.235  In: Scott DW, Miller WH, Griffi n CE. eds. Muller & Kirk’s Small Animal Dermatology 6th edn. Philadelphia: W.B. Saunders. 543-666. 2001.

palavras-chave: alergia alimentar; hipersensibilidade; cadela; cão; gato; gata.
Voltar ao topo  
 
 

 

 

I  
(IDOSO) NUTRIÇÃO DO CÃO IDOSO  
cão velho cão idoso aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: idoso; cão; cães; envelhecimento; proteínas; densidade energética; cálcio; fósforo.
Voltar ao topo  
 
 
 
(IDOSO) NUTRIÇÃO DO GATO IDOSO  
gato idoso gato velho comida alimento ração aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: idoso; gato; envelhecimento; densidade energética; cálcio,; fósforo; urólitos.
Voltar ao topo  
   
   
 
N  
(NEONATO) NUTRIÇÃO DO CÃO NEONATO
Nutrição do Cão Neonato e do Cão Neonato Órfão aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: neonato; filhote; filhotinho; cão; cães; alimentação; sucedâneo.
Voltar ao topo  
 
 
(NEONATO) NUTRIÇÃO DO GATO NEONATO
Nutrição do Gato Neonato aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: neonato; gatinho; filhotinho; gato; gata; alimentação; sucedâneo.
Voltar ao topo
 
 
(NUTRACÊUTICOS) ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE CÃES

Define-se por alimento funcional aquele alimento ou ingrediente que, além das funções nutritivas básicas, quando consumido como parte da dieta usual produza efeitos metabólicos, fisiológicos e/ou efeitos benéficos à saúde, devendo ser seguro para consumo sem supervisão profissional.

 

Os termos alimento funcional e nutracêutico muitas vezes são tratados erroneamente como sinônimos. Os nutracêuticos são suplementos dietéticos que apresentam uma forma concentrada de um possível agente bioativo de um alimento e usado para melhorar a saúde, em dosagens que excedem àquelas que poderiam ser obtidas do alimento normal.


Apesar das definições distintas, ambos têm sido usados com o propósito de prevenir o desenvolvimento de doenças e melhorar as condições de saúde dos animais. De uma maneira geral, estes componentes da dieta são usados com o objetivo de favorecer a saúde do trato digestório, a resposta imunológica, as condições de pele e pelagem, a composição corporal e prevenir os danos decorrentes do envelhecimento, além de auxiliar nas funções orgânicas em animais doentes. São exemplos de substâncias com propriedades funcionais usadas nas formulações de alimentos para cães e gatos:


- os probióticos (p.e. Lactobacillus spp., Bifidobacterium spp.), os prebióticos (p.e. mananoligossacarídeos, frutoligossacarídeos),
- os antioxidantes (p.e. carotenóides, flavonóides, coenzima Q), os agentes condroprotetores (p.e. glicosamina, condroitina),
- os agentes redutores da formação de tártaro (hexametafosfato de sódio, pirofosfato de sódio),
- o óleo de peixe (p.e. fonte de ácidos graxos alfa-linolênico, eicosapentaenóico e docosaexaenóico),
- as leveduras (p.e. fontes de ácidos nucléicos, glutamato e prebióticos), imunoestimulantes/imunomoduladores (p.e. beta-glucanos, antioxidantes, ácidos graxos, plasma sanguíneo),
- cromo, carnitina, fibras, extratos herbais, entre outros.

 

Pela legislação atual do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Instrução Normativa no30 de 05 de agosto de 2009), a empresa que utiliza um destes produtos na formulação deverá declarar a substância ou elemento ativo no campo “Níveis de garantia”. Esta medida contribui com o conhecimento do profissional e consumidor sobre os níveis destes componentes presentes no alimento.
Autoria: VASCONCELLOS, Ricardo de Souza (Fev/2012).

Literatura Sugerida:

COTMAN, CW et al. Brain aging in the canine: a diet enriched in antioxidants reduces cognitive dysfunction. Neurobiology of Aging, v. 23, p.809–818, 2002.


HAND, MS et al. Small Animal Clinical Nutrition, Mark Morris Institute, Topeka-Kansas, 2010, 1313p.


HARVEY, RG; MARKWELL, P. Management of atopy in dogs. Waltham Focus, v.10, n.2, p.1-6, 2000.

 

KVAMME, JL; PHILLIPS, TD Petfood Technology. Watt Publishing Co., Mt. Morris-Illinois, 2003, 572p.

palavras-chave: nutracêutico; alimento funcional; cão; cães.
Voltar ao topo
 
 
O  
OBESIDADE EM CÃES E GATOS  
cão obeso gato gordo obesidade alimentação aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: obesidade; cães; gatos; calorias; peso; gordura.
Voltar ao topo  
   
 
(OBESIDADE, RISCOS) RISCOS CLÍNICOS ASSOCIADOS À OBESIDADE EM CÃES
Introdução
A obesidade é definida como uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, suficiente para prejudicar as funções fisiológicas do organismo animal. Animais se tornam obesos quando consomem calorias em quantidade superior ao seu gasto calórico. Cães de meia idade a velhos são os mais predispostos e o intervalo de idade de maior prevalência de obesidade se situa entre 5 a 10 anos. A ligação entre o excesso de gordura corporal e seus efeitos deletérios está relacionada com a produção e secreção pelos adipócitos de inúmeros hormônios e citocinas, além do estresse oxidativo.
Redução da longevidade
No estudo realizado por Kealy et al. (2002), em um grupo de 48 labradores, metade destes receberam quantidade limitada de alimento ao longo da vida, enquanto a outra metade era alimentada ad libitum. O grupo de animais que se alimentava com quantidade controlada pesava em média 26% menos que o grupo controle. A restrição alimentar ajudou a prolongar a longevidade, com a expectativa de vida de 13 anos ao invés de 11, 2 anos no grupo controle. Também ajudou a retardar o desenvolvimento de doenças crônicas.
Doenças Osteoarticulares
A obesidade associada a um consumo elevado de alimento em filhotes de raças de porte grande durante a fase de crescimento leva ao desenvolvimento de várias queixas ortopédicas ou displasia de quadril grave. Em animais mais velhos, pode propiciar o desenvolvimento de artrose em várias articulações, como no ombro, joelho, quadril e cotovelo. Ligamentos rompidos e fraturas no côndilo umeral também são comuns em cães obesos. (doenças osteoarticulares).

Intolerância ao esforço e sobrecarga cardiorrespiratória

O excesso de peso, ao produzir um aumento do trabalho cardíaco necessário para a perfusão em uma massa corporal maior, força o sistema circulatório e compromete a capacidade ventilatória do animal. O aumento de peso em um cão é acompanhado por um aumento no ritmo cardíaco, no volume do ventrículo, na pressão arterial e no volume do plasma. Podem ocorrer doenças como trombose da veia porta, hipóxia do miocárdio, endocardite valvular e insuficiência cardíaca congestiva. Estes efeitos cardiovasculares também podem comprometer os rins, pois a hipertensão pode levar a modificações na função renal a longo prazo. Há também uma ligação entre a frequência do colapso de traquéia e obesidade.  

Diabetes mellitus
Ainda não foi claramente estabelecido que a obesidade seja um fator de risco para o desenvolvimento de diabetes mellitus em cães. A secreção de insulina e a intolerância à glicose aumentam proporcionalmente ao grau de obesidade e é provável que a hiperinsulinemia persistente produzida pela obesidade seja um fator importante no desencadeamento ocasional de diabetes mellitus nos cães com sobrepeso.

Redução da imunidade
Os animais obesos são menos resistentes à infecções do que animais com peso corporal ideal ou alimentados com uma dieta balanceada.

Hiperlipidemia e dislipidemia

A infiltração de gordura no fígado pode ser observada em cães obesos, assim como um aumento na concentração de lipídeos plasmáticos – colesterol, triglicerídeos e fosfolipídeos, porém sem ultrapassar os valores de referência para estes parâmetros e modificações no perfil das lipoproteínas também são observadas.  

Incontinência e cálculo urinário

Algumas cadelas podem se tornar incontinentes após se tornarem obesas. O que pode explicar este fato é a presença de gordura retroperitoneal que pode exercer efeitos mecânicos no sistema urinário da cadela. Cães acima do peso também são mais propensos a desenvolver cálculo de oxalato de cálcio.  

Problemas reprodutivos

A correlação entre obesidade e problemas reprodutivos não é clara, embora seja evidente que o excesso de gordura pode levar à distocia. 

Câncer

A condição de obesidade em animais jovens desempenha um papel na predisposição para tumores mamários na idade adulta. A correlação com outros tipos de tumores não é bem estabelecida. 

Doenças dermatológicas

Os cães obesos têm mais problemas de pele, principalmente dermatite devido a Malassezia.  

Risco cirúrgico

Os principais riscos são overdose e prolongamento do período de recuperação devido ao armazenamento de anestésicos lipossolúveis na gordura corporal. Outros riscos estão associados com doenças concomitantes, que são comuns em pacientes obesos, incluindo problemas circulatórios, respiratórios e hepáticos. Complicações pós-cirúrgicas também são mais frequentes em pacientes obesos.  

Modificações na função da tireóide

As concentrações de alguns hormônios da tireóide são maiores em cães obesos e estes diminuem durante a perda de peso. 

Tratamento

A maioria das doenças relacionadas ao excesso de peso em cães pode ser revertida ou amenizada com um programa de perda de peso, que inclui dieta adequada e aumento da atividade física, supervisionados por um médico veterinário.  

Autoria: PEIXOTO, Mayara Corrêa. (Out/2013).

Para saber mais:

Case L.P., Carey D.P., Hirakawa D.A. Desenvolvimento e tratamento da obesidade. In: Nutrição canina e felina: manual para profissionais. 2ª.ed. Mosby: St. Louis p.247-268,1998. 

 

Diez,M.; Nguyen, P. Obesity: epidemiology, pathophysiology and management of the obese dog. In: Pibot, P.; Biourge, V. & Elliott, D. Encyclopedia of Canine Clinical Nutrition. Aimargues:Aniwa SAS. pp.4-59, 2006. 

 

Kealy, R. D.; Lawler, D. F.; Ballam, J. M. et al. Effects of diet restriction on life span and age-related changes in dogs. J. Am. Vet. Med. Assoc. 220:1315-20, 2002.

 

Michel, K. E. Nutritional management of body weight. In: Fascetti, A. J.; Delaney, S. J. Applied Veterinary Clinical Nutrition, 1ª ed. Wiley-Blackwell, Iowa, p. 109-124, 2012.

 

Toll, P.W.; Yamka, R. M.; Schoenherr, W.D.; Hand, M. S. Obesity. In: Hand M.S., Thatcher C.D., Remillard R.L. & Roudebush P. (Ed). Small Animal Clinical Nutrition, 5. ed. Topeka: Mark Morris Institute. pp.501-542, 2010.

palavras-chave: obesidade; cães; calorias; peso; gordura.
Voltar ao topo  
 
 
 
(OBESIDADE, RISCOS) RISCOS CLÍNICOS ASSOCIADOS À OBESIDADE EM GATOS
Introdução
A obesidade é definida como uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, suficiente para prejudicar as funções fisiológicas do organismo animal. É ocasionada por um desequilíbrio entre o consumo e o gasto energético, ou seja, ocorre quando o animal consome mais calorias que seu gasto calórico. Gatos de meia idade são os mais predispostos, o intervalo de idade de maior prevalência de obesidade se situa entre 5 a 11 anos. Além do fornecimento de uma dieta palatável e calórica, os proprietários de gatos tendem a “humanizar” mais seus animais em comparação com proprietários de cães, aliado ao fato de que gastam menos tempo brincando com seus animais e utilizam o ,alimento como forma de recompensa, em vez de brincadeiras, o que consequentemente, leva à obesidade.
Redução de longevidade
A restrição dietética pode aumentar a longevidade em um número variado de espécies, incluindo a felina.
Diabetes mellitus
A obesidade é um fator de risco para a diabetes mellitus em gatos. Ela se assemelha a diabetes mellitus "tipo 2" no homem, onde existe uma deficiência relativa de insulina. As células beta do pâncreas são capazes de produzir insulina, mas há insensibilidade periférica ao hormônio e transtorno correspondente das células beta aos estímulos, causando hiperglicemia sustentada e glicoprivação celular. O controle da glicemia pode melhorar com a perda de peso.
Dermatopatias
As dermatopatias associadas à obesidade incluem a acne felina, alopecia, várias formas de dermatite, formação de crostas e dermatofitose. Geralmente estão relacionadas com a habilidade reduzida dos gatos se limparem eficientemente.
Doenças ortopédicas
Os gatos obesos são cinco vezes mais propensos a apresentar claudicação que gatos em condição corporal normal . A articulação coxofemoral e a do cotovelo são as mais frequentemente afetadas. Os sinais clínicos e a mobilidade melhoram após a perda de peso.
Doenças gastrointestinais
Os gatos obesos apresentam mais diarreia que os gatos em condição corporal ideal. As doenças gastrointestinais incluem doença inflamatória intestinal, colite, megacólon e constipação.
Lipidose hepática
A lipidose hepática é causada pelo acúmulo excessivo de triglicerídeos nas células do fígado, o que interfere na capacidade funcional hepática. Tende a afetar gatos obesos, de meia idade, que passam por um período de estresse, seguido de anorexia parcial ou completa, o que leva a trocas metabólicas e ao acúmulo de gordura no fígado.
Neoplasia
Os tumores mais frequentemente associados com a obesidade incluem adenocarcinoma, carcinoma basocelular, fibrossarcoma, lipoma, linfoma, tumor mamário, mastocitoma e carcinoma de células escamosas.

Doenças do trato urinário
Os gatos com sobrepeso são mais susceptíveis a desenvolver doença do trato urinário, como cistite aguda, urolitíase, doença do trato urinário inferior idiopática felina, obstrução urinária e infecção do trato urinário. Os gatos obesos também são aqueles que mais vivem em ambientes fechados, o que é um fator de risco para a doença do trato urinário idiopática felina. Além disso, problemas ortopédicos também podem estar associados: o gato com dor pode estar relutante em se locomover e assumir a posição de micção.

 

A redução da frequência de micção pode ser uma causa da doença do trato urinário inferior. Alterações funcionais também podem ocorrer como: aumento na concentração de renina plasmática, concentração de insulina, pressão arterial média e fluxo plasmático renal. As consequências destas mudanças a longo prazo seriam doença glomerular grave e lesão renal.

 

Gatos com sobrepeso possuem três vezes mais chance de desenvolver urolitíase por oxalato de cálcio do que gatos magros. Também há uma relação positiva significativa entre o índice de massa corporal e a excreção urinária de ácido úrico, sódio, amônia e fosfato. Uma correlação inversa foi demonstrada entre índice de massa corporal e pH urinário.

Doença da cavidade oral
A obesidade é um fator de risco para doenças da cavidade oral de acordo com um estudo feito por Lund et al. (2005), mas as razões para tal ainda não estão bem esclarecidas. Problemas como cálculo dentário, gengivite, doença periodontal, estomatite e ptialismo podem ocorrer.
Doenças cardiorespiratórias
O aumento do peso corporal pode resultar em alterações no ritmo cardíaco, aumento da saída do volume ventricular, pressão sanguínea e volume plasmático. O efeito da obesidade na hipertensão é controverso. Há também uma redução na tolerância ao calor.
Riscos durante a anestesia e cirurgia
Os problemas mais comuns são dificuldade para estimar a dose de anestésico, tempo prolongado de cirurgia e posterior recuperação.
A maioria das doenças relacionadas ao excesso de peso em gatos pode ser revertida ou amenizada com um programa de perda de peso, que inclui dieta adequada e aumento da atividade física, supervisionados por um médico veterinário. 
Autoria: PEIXOTO, Mayara Corrêa. (Out/2013).

Para saber mais:

Case L.P., Carey D.P., Hirakawa D.A. Desenvolvimento e tratamento da obesidade. In: Nutrição canina e felina: manual para profissionais. 2ª.ed. Mosby: St. Louis p.247-268,1998. 

 

German, A.; Martin, L. Feline obesity: epidemiology, pathophysiology and management. In: Pibot, P.; Biourge, V. & Elliott, D. Encyclopedia of Feline Clinical Nutrition. Aimargues:Aniwa SAS. pp.4-49, 2008. 

 

Lund, E. M.; Armstrong, P. J.; Kirk, C. A.; Klausner, J. S. Prevalence and risk factors for obesity in adult cats from private US veterinary practices. Intern J Appl Res Vet Med, vol. 3, No. 2, 2005.

 

Michel, K. E. Nutritional management of body weight. In: Fascetti, A. J.; Delaney, S. J. Applied Veterinary Clinical Nutrition, 1ª ed. Wiley-Blackwell, Iowa, p. 109-124, 2012.

 

Toll, P.W.; Yamka, R. M.; Schoenherr, W.D.; Hand, M. S. Obesity. In: Hand M.S., Thatcher C.D., Remillard R.L. & Roudebush P. (Ed). Small Animal Clinical Nutrition, 5. ed. Topeka: Mark Morris Institute. pp.501-542, 2010.

 
palavras-chave: obesidade; gatos; calorias; peso; gordura.
Voltar ao topo  
 

 

 

 

P  
A necessidade protéica de cães muda com o avanço da idade?

São muitas as modificações fisiológicas que ocorrem em cães com o avanço da idade. Dentre elas podemos citar uma capacidade de reserva reduzida aos desafios ambientais, redução na capacidade termorreguladora, queda no metabolismo e necessidade energética, alterações na qualidade da pele e pelagem, na capacidade de trabalho cardiopulmonar e renal, déficit cognitivo, perda generalizada de massa muscular e redução na resposta e resistência imunológica.

 

Por estes motivos a formulação de alimentos para animais geriátricos deve considerar muitas destas modificações, no intuito de otimizar a condição de saúde dos mesmos. Apesar disto, pouco se conhece sobre as exigências nutricionais dos animais nesta fase da vida. Exemplo disto é a controvérsia existente sobre as necessidades protéicas, uma vez que, se por um lado os cães estão perdendo massa muscular o que sugere que a elevação de proteína no alimento pode ser benéfica, por outro, o avanço da idade é marcado também por perda na capacidade funcional dos rins, conseqüente a redução na quantidade de néfrons funcionais, ainda que os animais não sejam insuficientes renais crônicos.

 

O que fazer nestas situações: aumentar ou reduzir as concentrações de Proteína nestes alimentos? Neste artigo iremos discutir alguns dados disponíveis na literatura que podem esclarecer algumas dúvidas.

 

Primeiramente, um cão geriátrico não é um cão doente, mas simplesmente um animal com algumas alterações metabólicas que tornam suas necessidades nutricionais quantitativamente diferentes de animais mais jovens, porém, qualitativamente, estas são praticamente as mesmas. Os primeiros estudos envolvendo a determinação das necessidades protéicas de cães foram realizados no século XIX ainda, considerando que os cães são utilizados como modelos experimentais para a nutrição humana desde então.

 

Portanto, na primeira metade do século XX, sem que as necessidades de aminoácidos dos cães fossem conhecidas, a exigência mínima estimada de proteína bruta foi de 35-90 gramas de proteína bruta por quilograma de alimento (gPB/kg). Com o passar do tempo, outros estudos foram realizados e, surpreendentemente, valores muito próximos foram obtidos (80 gPB/kg), sendo recomendado atualmente pelo NRC (2006) um mínimo de 100 gPB/kg para cães em manutenção. Apesar disto, parece que cães idosos apresentam uma exigência maior de PB, sendo esta necessária para a manutenção das proteínas lábeis (chamadas proteínas de reserva), o que pode chegar a uma exigência cerca de 50% superior a cães em manutenção.

 

A perda de massa muscular que ocorre em animais idosos se deve principalmente por dois motivos: a menor atividade física comparada aos animais mais jovens e a resistência periférica a ação insulínica, o que prejudica a utilização da glicose, conseqüentemente elevando a necessidade de aminoácidos para o metabolismo protéico e gliconeogênico.  

Autoria: VASCONCELLOS, Ricardo de Souza, 2012.

Referência Bibliográficas:

NRC. Nutrient requirements of dogs and cats. Washington, DC: The National Academy Press; 2006. 398 p. 

Para saber mais:

 

WILLIANS, C. C. , Cummins K. A. , Hayek M. G., Davenport G. M. Effects of dietary protein on whole-body protein turnover and endocrine function in young-adult and aging dogs. J ANIM SCI, 79:3128-3136, 2001.

 

Wannemacher-Jr, R.W., McCoy, John R. Determination of optimal dietary protein requirements of young and old dogs. Journal of Nutrition, 88:66-74, 1966.

 

Veja também aqui em 'textos básicos' o texto 'nutrição do cão idoso'.

palavras-chave:cão; cães; idoso; proteína; alimento; necessidade protéica; geriatria.
Voltar ao topo  
   
   
 
R  
(REPRODUÇÃO) MANEJO NUTRICIONAL DA CADELA EM REPRODUÇÃO
cachorra cadela prenha reprodução filhotes alimentação ração aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: reprodução; cães; fêmea; cadela; gestação; lactação; densidade energética.
Voltar ao topo  
 
 
(REPRODUÇÃO) MANEJO NUTRICIONAL DA GATA EM REPRODUÇÃO
gata prenhe prenha grávida filhotes alimento alimentação nutrição vitaminas comida dieta aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: reprodução; cães; fêmea; cadela; gestação; lactação; densidade energética.
Voltar ao topo  
   
   
 
S  
SUPERALIMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ESQUELETO DE FILHOTES DE CÃES E RAÇAS GRANDES E GIGANTES
ossos raças cães grandes pastor alemão labrador alimento alimentação nutrição vitaminas comida dieta aditivos na alimentação de pets, cães, gatos, melhor ração para cães, nutrição de cães e gatos, como cuidar do meu cão, como alimentar o gato
palavras-chave: superalimentação; cães; gatos; esqueleto; filhote; crescimento; cálcio.

Voltar ao topo

 

 

 

 

T  
(Tiamina) Importância da tiamina (vitamina B-1) para cães e gatos.

A tiamina foi a primeira das vitaminas hidrossolúveis a ser isolada, foi relatada como a causa da primeira desordem provocada por uma deficiência de vitamina, conhecida como a doença de beribéri. A vitamina é isolada em sua forma pura como cloridrato de tiamina. A principal função da tiamina nas células é como coenzima cocarboxilase que é necessária para as reações de descarboxilação e acetilação, sendo responsável pela produção de energia para o corpo, e essencial para a utilização dos carboidratos como fonte de energia.

 

Existem compostos anti-tiamina, como a tiaminase, que é uma enzima que interfere na atividade da tiamina e está presente em altas concentrações nas vísceras de certos tipos de peixes crus e bactérias. Animais que consomem tiaminases podem desenvolver doenças como “Chastek paralysis”, devido a ação da enzima, na divisão da molécula de tiamina em dois componentes, tornando-a inativa. No entanto, as tiaminases são facilmente inativadas com calor.

 

Embora a tiamina seja facilmente absorvida e transportada pelas células do corpo, ela não é estocada em grande extensão, sendo preferencialmente retida nos órgãos com maior atividade metabólica como coração, cérebro, fígado e rins. Ingestões em excesso são rapidamente excretadas. A tiamina absorvida é excretada pela urina e pelas fezes, com pequenas quantidades excretadas pelo suor (McDOWELL, 1989).

A suplementação de tiamina é necessária? 

Muitos fatores influenciam a exigência de tiamina, já que ela pode ser sintetizada por microorganismos no cólon e isto dificulta a determinação da exigência desta vitamina em cães e gatos. Como esta quantidade produzida é pouco absorvida no cólon, é essencial a sua oferta através da alimentação.

 

A composição ração também pode influenciar a exigência de tiamina, como ela está envolvida no metabolismo de carboidratos, maior ou menor nível deste nutriente, influencia na sua necessidade. Portanto, é importante que rações com altos níveis de carboidratos (extrativos não nitrogenados), contenha suplementação de tiamina. As exigências de tiamina para gatos adultos e cães em crescimento (READ; HARRINGTON, 1981) é de 5,0mg/kg e 0,75mg/kg, respectivamente. As quantidades recomendadas para cães em crescimento, cães adultos, gatos em crescimento e gatos adultos são 1,38mg, 2,25mg, 5,5mg e 5,6mg/kg de ração na matéria seca, respectivamente.

 

Grãos de cereais e seus sub-produtos são relativamente ricos em tiamina. Levedura de cerveja é uma das maiores fontes naturais de tiamina conhecida. Sabe-se que a vitamina é encontrada principalmente no gérmen e no tegumento, desta forma, os grãos utilizados integrais, contém bons teores de tiamina, enquanto as farinhas muito “beneficiadas” são deficientes.

 

Em relação as fontes de tiamina de origem animal, ela está presente na carne magra suína, fígado, rins e gema de ovo. Sendo uma vitamina hidrossolúvel e instável ao calor, operações que envolvem altas temperaturas, como a extrusão e autoclavagem resultam em perdas significativas, sendo necessária a a suplementação da vitamina nas dietas para assegurar o atendimento da exigência de cães e gatos. Quando seca, a tiamina é estável até 100°C por várias horas, mas a umidade acelera sua destruição, assim sendo, ela é menos estável ao calor em dietas úmidas do que em dietas secas.  

A deficiência de tiamina é comum? Como detectá-la? 

Devido à limitação do organismo em armanezar tiamina, os sinais clínicos da deficiência de vitamina aparecem rapidamente. A doença de beribéri (neurite periférica) representa o estágio avançado da deficiência, talvez causada pelo acumulo de intermediários do metabolismo de carboidratos. Esta desordem afeta o sistema nervoso central, e como a necessidade energética do cérebro é suprida pela degradação de glicose, ela é dependente das reações bioquímicas nas quais a tiamina é essencial.

 

Outras desordens envolvidas são danos cardiovasculares, sendo que seus sinais clínicos são, bradicardia, cardiomegalia e edema. Sinais clínicos menos específicos incluem problemas gastrointestinais, fraqueza muscular, fadiga, hiper-irritabilidade e anorexia marcante. Animais consumindo baixa dose de tiamina na dieta, logo apresentam severa anorexia, perda de interesse pela comida e não voltam a se alimentar a menos que recebam tiamina. Na clínica, o gato é mais freqüentemente relatado por estar deficiente em tiamina. Isto pode estar relacionado à sua maior exigência em relação ao cão, e também pelo maior consumo de peixe ou dietas derivadas pelos gatos (DAVIDSON, 1992). O tratamento térmico ao qual as rações são submetidas, geralmente é suficiente para inativar estas tiaminases.

 

Quando a tiamina é administrada em grandes doses via oral, parece não ser tóxica e usualmente o mesmo é válido para doses parenterais. Ingestões de tiamina 1000 vezes acima da necessidade são aparentemente seguras para a maioria das espécies. Por injeção intravenosa, a dose letal para cães é de 350mg/kg (NRC, 2006).  

 
Autoria: LOUREIRO, Bruna Agy, 2013.

Referências bibliográficas (constam do Banco de Referênias Bibliográficas do nutrição.Vet) :

DAVIDSON, M. G. 1992. Thiamine deficiency in a colony of cats. Vet Rec. 130: 94-97.

 

McDOWELL, L.R. Vitamins in animal nutrition. San Diego: Academic, 1989. 486p.

 

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient requirements of dogs and cats. Washington: The National Academy, 2006. 424p.

 

READ. D. H. and HARRINGTON, D.D. 1981. Experimentally induced thiamine deficiency in Beagle dogs: Clinical observations. Am. J. Vet. Med. Res. 42:984-991.

Para saber mais:

 

M. SINGH, M. THOMPSON, N. SULLIVAN, G. CHILD. Thiamine deficiency in dogs due to the feeding of sulphite preserved meat. Australian Veterinary Journal. Volume 83, Issue 7, pages 412–417, July 2005.

 

Tanphaichitr V. Thiamin. In: Shils M, Olson JA, Shike M, Ross AC, eds. Modern Nutrition in Health and Disease. 9th ed. Baltimore: Williams & Wilkins; 1999:381-389. 

 

Todd K, Butterworth RF. Mechanisms of selective neuronal cell death due to thiamine deficiency. Ann N Y Acad Sci. 1999;893:404-411.

 

Flodin N. Pharmacology of micronutrients. New York: Alan R. Liss, Inc.; 1988.

 

Mimori Y, Katsuoka H, Nakamura S. Thiamine therapy in Alzheimer's disease. Metab Brain Dis. 1996;11(1):89-94.  

 

Yudkin, Warren H. Thiaminase, the CHASTEK-PARALYSIS factor. Physiol Rev October 1, 1949 29:(4) 389-402. 

 

Veja aqui também no nutrição.VET em 'glossário básico' termos relacionados ao assunto.

palavras-chave:cão; cães; gato; gata; tiamina; vitamina B1.
Voltar ao topo  

 

 

 

 


Veja também

 

 

Voltar ao topo
nutrição.VET

[ Como anunciar ]